ENTREVISTA A DAVID FERREIRA, CAPITÃO DO LUST BAR (SUPERLIGA MINHO): «HÁ UMA CLARA QUALIDADE INDIVIDUAL DE JOGADORES NA SUPERLIGA MINHO»

A equipa do Lust Bar já se encontra na Superliga Minho há 2 épocas. Ainda se lembram dos primeiros passos nas nossas Competições?

Claro que sim, até porque não vai há muito tempo.  Recordo-me perfeitamente de juntamente com alguns elementos da equipa nos juntarmos para começarmos a formar a equipa.

A equipa já estava formada ou já se conhecia?

A equipa já se conhecia toda. Era frequente quase todos nos juntarmos para realizar aquelas futeboladas entre amigos durante a semana. No entanto, não podemos dizer que a equipa estava formada. Foi necessário falar com toda a gente para saber da disponibilidade de cada um, até porque na época anterior haviam alguns colegas que tinham compromissos ao fim de semana. Felizmente esta época a disponibilidade é quase total e isso também se reflete nos resultados da equipa.

Qual foi o principal motivo para integrarem a Superliga, na altura?

Na altura, aquilo que mais nos motivou foi poder voltar a sentir aquela competitividade ao fim de semana. Na grande maioria, os elementos da nossa equipa são ex-atletas de futebol ou futsal, e todos nós crescemos a treinar à semana e a jogar ao fim de semana. Por mais que os anos passem, aquele “bichinho” da competição continua dentro de nós.

Quanto à presente época, como classifica o estilo de jogo da equipa? Têm alguma forma específica de jogar?

Como referi anteriormente, a nossa equipa é composta por atletas que viveram o futebol de perto e com paixão, daí que para nós sejam um prazer juntarmo-nos à semana ou ao fim de semana para jogar. Podemos dizer que esta é a nossa forma de jogar, com paixão e à procura de tirarmos o maior prazer do jogo. Mais especificamente, podemos dizer que procuramos um jogo de posse de bola em que tentamos dominar o jogo em todos os momentos.

Qual a disposição táctica em que a equipa se sente mais confortável a jogar?

Dada a qualidade e o conhecimento dos nossos jogadores, arrisco-me a dizer que nos adaptamos bem às diferentes formas de jogar. Mas de modo geral a equipa sente-se muito confortável a jogar numa disposição de 3-2-1. Claro que dizer isto desta forma torna tudo muito vago. Privilegiamos muito a mobilidade.

Quais as qualidades que realça da sua equipa, e quais as vertentes que gostaria de ver melhoradas?

A nossa equipa, felizmente, tem bastante qualidade coletiva. Mas aquela que é reconhecida por toda a gente que vê os nossos jogos, e mesmo adversários, é a organização defensiva e ofensiva. Grande parte da equipa já joga junta há bastante tempo e isso facilita muito os processos, tanto defensivos como ofensivos. Quanto ao que gostaria de melhorar, seria sem dúvida a finalização. Não é que a nossa equipa faça poucos golos, mas se formos a contar as oportunidades flagrantes que criamos e as que finalizamos com sucesso, a média ainda não está como desejamos.

Qual é o jogador que o impressiona mais na equipa?

A equipa impressiona-me como um todo. Sinceramente, eu tinha noção clara que tínhamos um grupo com muita qualidade, jogadores com diferentes características e que jogo a jogo se vão completando uns aos outros. Mas depois de ver o registo invicto que a nossa equipa tem feito, os adversários a reconhecer a nossa qualidade e o bom futebol apresentado, só posso dizer que o que mais me impressiona é mesmo o colectivo. Obviamente que há sempre dois ou três jogadores que pelas suas características individuais saltam mais à vista de todos e são jogadores que podem decidir um jogo, mas reforço que sem a consistência, o equilíbrio e a competência do resto dos colegas, ninguém conseguiria chegar mais longe.

Há algum jogador de outra equipa da nossa Liga que desejasse ter na sua?

Não. E não o digo de forma prepotente ou arrogante. Reconheço que há jogadores com grande qualidade na Região Minho da Superliga, mas olhando para o nosso plantel e vendo a vontade que cada um demonstra semana após semana, sinto-me totalmente satisfeito com o grupo que temos. Não há qualidade que supere a determinação e a resiliência. E nisso nós estamos fortíssimos!

Há alguma equipa da Superliga Minho que o cative pelo seu estilo de jogo, ou mesmo pelas individualidades?

Na Superliga Minho, como disse antes, há bastante qualidade. Apenas posso falar das equipas que defrontámos porque as outras apenas conheço pelos resultados. Mas qualidade individual vê-se muita e isso é bom porque potencia a competitividade das várias divisões. Penso é que as equipas precisam de se organizar de uma forma mais metódica. Eu conheço casos em que os jogadores vão-se alterando quase semana após semana, e isso não beneficia nada a própria equipa. Pelo que me parece, tanto nós como o Arrebenta Pipas somos aquelas mais regulares e que acabamos por colher frutos mais tarde. Temos outro exemplo, a BarcaFute, que também são um grupo de amigos que já jogam há muito tempo e não abdicam disso. E esta época conseguiram chegar à Divisão de Elite.

Existe algum rival da equipa? E porquê?

Existe. Todos os que jogam contra nós! Porquê? Simples, a nossa vontade de vencer é tanta que encaramos todos os jogos da mesma forma. Portanto, qualquer equipa é um rival para nós.

Existe alguma palestra motivadora antes de iniciar os jogos?

Repare, nós somos um grupo de amigos que se junta 2 ou 3 vezes por semana para jogar futebol, mas vamos estando juntos quase todos os dias e conversamos uns com os outros diariamente. Acha que é preciso motivar esta malta? Se eles não andassem motivados já não estariam a jogar connosco.

Sobre a presente época, como define / caracteriza o modelo competitivo da Liga do Minho?

Esta época parece-me que a Liga Minho está muito bem estruturada. Mas de forma geral penso que a organização da Superliga fez um bom trabalho na estruturação das competições. Dá um especial prazer jogar uma fase regular sabendo que tens de te apurar para a Divisão de Elite. No entanto, penso que a Championship (Liga de Inverno) deveria ser reformulado. Na época anterior jogámos essa fase porque não nos apuramos, e acaba por ser uma série de jogos contra equipas com quem já jogaste e tira um pouco o entusiasmo.

Quais são os objectivos para esta época? E já pensa na próxima?

Para esta época estamos totalmente focados em atingir a Final Nacional o mais depressa possível. Depois disso temos o objetivo de sermos campeões da Região Minho. Para a próxima época ainda não está nada planeado, mas o pessoal vai perguntando inevitavelmente e ao que tudo indica iremos continuar e com a mesma ambição.

Pelo que já observou das equipas presentes na Superliga Minho que observações retirou das equipas presentes? Acha que a Liga está competitiva, ou há um pequeno lote de equipas que poderá sonhar com o título?

Como já disse, há uma clara qualidade individual de jogadores na Superliga Minho. Contudo, para se sonhar com o título é preciso muito mais que qualidade individual. Dou-vos o nosso exemplo: na época passada a nossa equipa era praticamente a mesma, trocamos de Guarda Redes e entraram dois ou três novos jogadores, como saíram outros tantos. A grande diferença é que nós de uma época para a outra crescemos enquanto equipa. Estamos mais responsáveis, mais dedicados e mais entusiasmados com isto, e a prova está nos resultados.

Na próxima Jornada irão defrontar o Ilha’s Park/RAC, equipa que não conta com qualquer ponto nesta fase. Que antevisão faz desta partida?

Prevejo um jogo difícil como todos os outros. No futebol não há jogos fáceis nem difíceis, nós é que com a nossa qualidade e as nossas decisões podemos tornar o jogo mais fácil ou mais difícil. Esta equipa já não é estranha para nós, e sabemos perfeitamente que se facilitarmos pode correr mal.

Com 3 vitórias em 3 jogos, sente que a Final Nacional deixou de ser uma miragem, e já se começa a tornar uma forte possibilidade?

É inevitável! Todos nós estamos com esse pensamento. E o que reforça ainda mais essa sensação é que para além de só termos vitórias esta época, já jogamos contra duas equipas que consideramos candidatas, e em ambas as ocasiões vencemos. Posto isto, penso ser legítimo da nossa parte vermos a Final Nacional cada vez mais próxima.

E relativamente à Superliga, acha que, de uma forma geral, tem melhorado de época para época?

Nós ainda somos novos nisto. Não temos grande termo de comparação a não ser a última época. No entanto já se vê algumas melhorias. Realço a mudança de campo na zona de Guimarães. Todas as equipas que lá iam queixavam-se do tamanho do campo (muito pequeno) em comparação com os outros. Esta época está diferente, um campo maior e que beneficia largamente quem está nisto pelo prazer do futebol.

Que aspectos gostaria de ver melhorados?

Há um aspeto que na minha mais humilde opinião, e sei que há mais responsáveis de outras equipas a pensar como eu, tem de ser melhorado: os horários dos jogos. Tenho consciência que os responsáveis da organização fazem tudo a pensar que estão a fazer o melhor, mas não se justifica uma equipa que tenha de se deslocar e fazer 30 km jogue a um sábado ou domingo às 19h45. É preciso mais sensibilidade de quem decide porque aqui ninguém é profissional e todos nós temos a nossa vida privada. E não me parece que seja necessário abdicar de uma das coisas. Ainda sobre os horários, a Superliga precisa estar mais atenta aos atrasos dos jogos. Não há razão para o primeiro jogo da tarde atrasar 5 minutos que seja. É que depois quem sai mais prejudicado são as equipas do último jogo da tarde, e esta época isso tem sido uma constante. Não me recordo de começar um jogo à hora prevista durante esta época.

Como classifica actualmente a Superliga Minho?

Numa escala de 0 a 10, atribuo um 8. Apenas porque há coisas que podem melhorar.

Para terminar, gostaria de deixar alguma mensagem aos seus jogadores, ou mesmo a quem nos está a ler?

A todos os leitores deixo uma palavra de motivação para continuarem a participar na Superliga, e os que não jogam que se juntem com o seu grupo de amigos e criem uma equipa. Vão ver que vale a pena. Para os meus jogadores, só tenho de lhes dar os parabéns por tudo aquilo que fizemos juntos e ainda iremos fazer. Sozinhos não conseguimos atingir nada, e todos juntos fomos capazes de chegar até aqui com um registo formidável. Só uma entreajuda e um espírito de grupo magnífico é que permitiu toda esta ambição. Um agradecimento especial a todos que estiveram envolvidos na criação e desenvolvimento desta equipa, porque deu e dá bastante trabalho. Um agradecimento enorme ao nosso Presidente porque sem ele isto teria sido bem mais difícil. E um agradecimento aos nossos amigos que semana após semana têm uma boa desculpa para ir para o bar do campo beber umas cervejas e mandar uns “bitaites” à malta. Um obrigado à Superliga por esta oportunidade.

Entrevista realizada a 26 de Janeiro.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.